7 de abril de 2009

O meu tempo é outro!








Cabe pensar o que é gentileza? Cabe pensar o que é honestidade? Cabe pensar o que é alteridade? Cabe praticá-las. É impressionante como se fala em educação, mas em muito se perdeu a gentileza, a delicadeza. Estou mergulhando na leitura de crônicas de um escritor bárbaro 'Affonso Romano de Sant'Anna': 'Tempo de delicadeza'. Estas leituras tem me feito mergulhar em reflexões do quanto a gente se deteriora no dia-a-dia com a velocidade que o tempo nos impõe e a mecânica da modernidade.

Viver nesse tempo é se adequar às relações voláteis ou andar na contramão e imprimir um próprio tempo às suas relações. Não tenho a menor vontade e gero esforços pra me fazer interessante ou conhecido por quem não me desperta interesse, mas às vezes deixo ser contrariado pela ilógica vida e pessoas antipáticas a primeira mostra se revelam doces e ternas. Por isso, que experimentar a vida é um prazer ímpar. Mas como experimentar a vida se as pessoas acumulam não as experiências, mas os consumos?

Me dou conta disso quando vou a um show e vejo as pessoas insistentemente clicando cada instante de um show, sem nem sequer prestar atenção à música em si, ao contexto de todo espetáculo. Depois é só fazer a simples pergunta: no show cantaram x música? 'Sabe que nem lembro? Tava tirando foto e me distraí'. E 'apois'.

Há um tempo diferente para se viver a vida e ele não é o tempo do zappear das TVs, nem da instantaneidade das mensagens eletrônicas. Este é o tempo que é impresso na vida pela própria vida, quando a tecnologia não domina o humano e o humano, ah o humano é apenas um ser em busca de experimentações e aprendizados, mesmo que isso signifique viver no interior com o verde ou fazendo rappel ou ainda andando enquanto o quebrante das ondas dá o tom do entardecer.

O meu tempo é outro!


Foto: copiaperfeita.blogs.sapo.pt/942002.html

3 comentários:

Stripulia Moda Infantil disse...

Delícia de texto, Wagner!

Edi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edi disse...

Gosto muito da doçura dessa acidez que vc utiliza em seus textos...rs